Buscar
  • amppespadm

Impacto da circulação da variante P1 do Novo Coronavírus na retomada das aulas

Com um hiato de quase um ano sem aulas presenciais, o estado de São Paulo

iniciou o retorno gradual das atividades no mês de fevereiro de 2021. Os protocolos

seguidos foram rígidos e a volta das atividades teve o objetivo de reduzir o impacto

do longo período de isolamento no desenvolvimento e sociabilização de crianças e

adolescentes. No entanto, a circulação de variantes do coronavírus forçou os

municípios a interromperem a retomada das aulas.


Vecina destaca que neste momento de pico, em que o país bate recordes de mortes

diárias, não é prudente falar em volta às aulas, mas que assim que tivermos uma

redução do número de casos, a primeira questão a ser planejada será a retomada

das atividades educacionais. “Temos que buscar reabrir as escolas, sempre com

uma parte das classes e tomando cuidados com alunos e profissionais da educação

que possuem comorbidades, pois devem ser evitados riscos desnecessários”,

pontuou.


Preparo para a retomada das aulas presenciais


De acordo com o pediatra e infectologista pediátrico Marcio Nehab, membro da

Sociedade Brasileira de Infectologia e do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da

Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), o retorno às aulas deve

ser avaliados através dos sistemas de vigilância sanitária. Para o especialista,

algumas auxiliam no monitoramento durante este processo:

Após a volta às aulas, está havendo aumento no número de casos e óbitos?

Há como ter certeza que esse aumento se deveu a reabertura das escolas?

Como estão sendo respeitadas as medidas de isolamento e controle de casos e

contactantes?


Há disponibilidade de EPI (equipamentos de proteção individual) para professores e

alunos?


As condições estruturais estão seguindo as normas sanitárias?

Houve contratação de pessoal para conseguir dar conta da nova distribuição de

alunos nas aulas presenciais?

Haverá suporte de ensino a distância para os doentes ou os isolados que não

puderem ir de forma presencial?

Outros pontos a serem analisados são os prejuízos que a suspensão indeterminada

das aulas vem causando para a sociedade, como os danos ao aprendizado/ensino,

danos psicológicos, fome e insegurança alimentar, aumento da violência contra a criança, o adolescente e a mulher, pandemia de sedentarismo, aumento do uso de

tela, entre tantos outros.


O tema é complexo e o desafio de conduzi-lo exigirá muito dos municípios. Ao

pontuar que municípios de pequeno porte com uma boa gestão da saúde pública

como um todo, maior disponibilidade de leitos hospitalares e de UTI, tendem a obter

resultados melhores durante a pandemia se comparados a municípios com alta

densidade populacional de forma geral, Nehab reitera que mesmo depois de mais

de um ano de pandemia ainda é preciso investir no reforço da conscientização

sobre questões básicas de prevenção. que mesmo depois de mais de um ano de

pandemia ainda precisam investir no reforço da conscientização sobre as questões

básicas de prevenção, como o uso de máscaras, higiene constante das mãos e a

prática do isolamento social para evitar aglomerações até que seja possível ter

controle mais efetivo da pandemia.


Aos municípios que estudam as melhores estratégias para o retorno para a volta às

aulas, a Fiocruz disponibiliza ainda a publicação Recomendações Retorno Escolar,

que pode ser acessada por meio do link:

https://portal.fiocruz.br/documento/recomendacoes-para-o-planejamento-de-retorno-

atividades-escolares-presenciais-no-contexto

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo